cartaz_programa

Prezadas Afiliadas:
Face a relatos de grandes dificuldades nos processos de renovação de credenciamento e autorização no GAT, a Diretoria Executiva  do CONFIES vem envidando esforços juntamente com o Secretário Jesualdo Farias da SESU/MEC com discussões e sugestões para tornar o processo mais célere.
O Secretário Jesualdo se comprometeu na última reunião em 27/01/2016 com a implementação de sistema eletrônico, que sofreu atrasos devido a processo de contratação de empresa especializada, e alterações nos instrumentos legislativos que definem os procedimentos e prazos de credenciamento e autorização.
Estaremos atentos e acompanhando todo o processo, para que não ocorram mais prejuízos às FA.
Cordialmente,
Diretoria Executiva

Cartaz Encontro Regional ConfiesDurante o Encontro Regional Confies – O Marco Legal de CT&I e seus desdobramentos, a Fiotec fará apresentação das Ferramentas de Gestão de Aplicações para Compartilhamento com as outras fundações.

Para essa atividade, não é necessário fazer inscrição, basta comparecer ao local no horário marcado.

A programação da atividade encontra-se abaixo:

 

 

ENCONTRO SUDESTE DO CONFIES

Tema: Ferramentas de Gestão de Aplicações da Fiotec para Compartilhamento

Data: 22 de fevereiro de 2016

Local: Coppetec

Horário: 08h30 às 17 horas

Promoção: Confies / Coppetec / Fiotec

AGENDA

Introdução

  • Mostrar os objetivos da apresentação, bem como as diretrizes da política de compartilhamento de produtos e conhecimento da Fiotec com suas congêneres. Deve-se mostrar, previamente, as condições em que esse compartilhamento se dá.

08:30 / 10:15 – Gerenciamento Eletrônico de Documentos (Ged)

  • Descrição básica do produto
  • Histórico na Fiotec
  • Funcionalidades
  • Características técnicas

10:15 / 10:45 – Coffe break

10:45 / 12:00 – Assinador Digital

  • Descrição básica do produto
  • Histórico na Fiotec
  • Funcionalidades
  • Características técnicas

12:00 / 13:00 – Almoço

13:20 / 15:20 – e-Social /recadastramento de trabalhadores celetistas

  • Descrição básica do produto
  • Histórico na Fiotec
  • Funcionalidades
  • Características técnicas

Condições de Compartilhamento

 

Apoio: Coppetec (Coppe/UFRJ) / Fiotec (Fiocruz) /FUJB (UFRJ) / Fec (UFF)

Fernando Peregrino, vice-presidente do Confies. (Foto: Reprodução-Coppe/UFRJ).

Fernando Peregrino, vice-presidente do Confies. (Foto: Reprodução-Coppe/UFRJ).

Por: Fernando Peregrino *
Como desburocratizar a integração entre as instituições de pesquisa e as empresas no Brasil para acelerar o processo de inovação? Um pais que está em 13º lugar na produção de ciência e em 70º lugar em inovação requer, com certeza, que se reforce essa relação.

O momento é propício. Podemos aproveitar a experiência fracassada de um modelo exportador de bens primários, inaugurar um novo período com a produção de bens e serviços intensivos em conhecimento, reconfigurando a nossa economia com empresas baseadas em tecnologiaendógenas, e romper o longo  ciclo de baixo crescimento.

O caminho recente trilhado pela nossa economia, com raros intervalos, reforçou  nossaposição de economia periférica e de subordinação às economias centrais. Nos séculos XIX e XX, vivemos os ciclos do ouro, do café e do açúcar para atender ao Velho Mundo. Quase duzentos anos depois de nossa independência, ainda exportamos minério de ferro, soja, carne, óleo cru, suco de laranja e outras comodities para satisfazer, de forma submissa,  a um mercado externo, agora expandido pela China.

O Brasil já provou que é capaz de produzir bens de alta tecnologia, como navios, aviões, derivados do petróleo até produtos da química fina e da biotecnologia. Porém algo nos impede de sermos eficientes na construção de um ambiente de cooperação flexível  entre a academia e a empresa visando acelerar a transformação da ciência em inovação.

Duas premissas destaco nessa discussão sobre esses entraves. A primeira é um ensinamento do grande pensador brasileiro, Celso Furtado, para quem, por exemplo, o subdesenvolvimento não é uma etapa que precede o desenvolvimento, e sim uma situação em si,  da qual só sairemos com políticas próprias e intensa criatividade técnica. A segunda premissa vem do saudoso Darcy Ribeiro. Segundo ele, devemos reunir nossas melhores condições para conduzir um projeto nacional apoiando-nos no desenvolvimento endógeno de saberes e técnicas e não como meros  consumidores dessa nova civilização tecnológica. Ainda em sua obra reeditada, O Brasil como problema (2015),  Darcy afirma que as forças motoras dessa nova civilização devem se libertar do que chamou de “peias burocráticas” que lhe tolhem o caminho.

Por outro lado, Francis Fukuyama, em seu livro seminal, Confiança (1996), considera-nos uma sociedade de baixa confiança, portanto difícil de nos associarmos com objetivos, padrões e valores compartilhados, como ocorre em outros países. Segundo ele, em países como o nosso, é difícil acontecer associações espontâneas fora da família. Em pesquisa, publicada no Scientific American Journal, Paul Zak (2008) demonstrou que o Brasil se encontra em ultimo lugar em confiança entre os mais de sessenta países pesquisados. Ora, confiança é a base para a cooperação e a integração de esforços.

A tese desses autores é que o progresso de um país e sua capacidade de competir estão ligados a essa característica cultural fundamental: confiança. Como consequência, nas sociedades de baixa confiança,resta os empreendimentos empresariais se originarem nas famílias, ou, quando não, a partir de intervenção e fomento do Estado.

Um outro aspecto a destacar, decorre dessa reconhecida baixa confiança da sociedade brasileira. Para compensá-la, estimula-se a proliferação de normas regulando, controlando e elevando o grau de burocratização das ações governamentais que visem agregar  grupos e segmentos em torno de objetivos comuns. Tratam-se, em geral, de instrumentos coercitivos, burocráticos e, muitas vezes, falhos. Apenas como exemplo, de 2000 a 2014, foram criadas 77 mil novas leis no Brasil, 25% dessas inconstitucionais.

Tudo isso demonstra o quanto é difícil construir um ambiente para uma politica de inovação flexível e desburocratizada, que integre a academia, governo e empresa, como se requer no Brasil. Uma política de inovação que produza frutos através do estímulo à confiança entre os segmentos envolvidos. E que evite potencializar, mais ainda, nossa baixa confiança com excesso de burocracia que frustra a alavanca da nova economia que nascerá da integração criativa das instituições de pesquisa e as empresa no Pais.

* D.Sc, Diretor de Orçamento e Controle da COPPE,  Vice Presidente do CONFIES – Conselho Nacional das Fundaçoes de Apoio às Instituiçoes de Ensino Superior

20160203114807Reunião traça caminho para a restituição dos itens vetados na aprovação da Lei 13.243.

Nesta quarta-feira, dia 3 de fevereiro, o CONFIES participou de reunião do grupo de trabalho, coordenado pelos Deputados Sibá Machado e Izalci Lucas (Coordenador da Frente Parlamentar de Ciência, Tecnologia, Pesquisa e Inovação) e formado por outras entidades como a ANPEI, CNI, SBPC, Fórum de Assessores Parlamentares, ABITI, ANDIFES, CONFAP entre outros.

Na reunião, o representante do CONFIES, Fernando Peregrino (Vice-presidente), defendeu que as assessorias jurídicas do MCTI e do CNPq chegassem à interpretação de que as Fundações manterão seus credenciamentos para importação de equipamentos e insumos para pesquisa de acordo com a Lei 8.010.

0201_ministro1Os presentes aprovaram a proposta de solicitar, através de carta, que a  Presidenta Dilma libere sua bancada de parlamentares para votarem livremente sobre a restituição dos artigos vetados no último dia 11 de janeiro. O pedido será elaborado por uma comissão formada pela ANDIFES, FORTEC, SBPC, ANPEI e CONFIES e entregue à Presidenta pelos ministros que participaram do processo decisório do Marco.

Depois da reunião, O CONFIES participou de um almoço com Celso Pansera (Ministro da Ciência e Tecnologia) para alinhamento de posições.

Participaram, o Senador Jorge Viana, Sergio Gargioni (Presidente do CONFAP), Helena Nader (Presidente do SPBC), e Fernando Peregrino do CONFIES, além de Emília Ribeiro (Secretária Executiva) e Carlos Azevedo do MCTI. “O Ministro acolheu o pedido para que pudéssemos ser ouvidos pela Comissão encarregada pela elaboração do Decreto Único de regulamentação, conforme audiência realizada no último dia 27. O Ministro Celso Pansera nos acompanhará nas audiências com os principais ministros”, disse Fernando Peregrino.

Dessa forma, o CONFIES continuará atuando, em todas as frentes, como a do MEC, para conquistar o apoio necessário rumo à derrubada dos vetos e uma regulamentação coerente e adequada do Marco Legal.

Cartaz Encontro Regional Confies

CAPA_marco_legal-01Através da distribuição de primeiro número do material em Power Point para todas as afiliadas que solicitaram, o CONFIES abriu uma temporada de discussão dos pontos positivos, dos vetos e dos desdobramentos da Lei 13243 sancionada recentemente.

O material visa contribuir para uma maior compreensão do espírito e do texto da, tendo em vista ampliar a participação da comunidade científica e tecnológica em seu aperfeiçoamento.

Agradecemos à colaboração do Colégio de Procuradores do CONFIES, aos demais dirigentes e técnicos das noventa e oito fundações de apoio.

O evento, que foi organizado pelas Pró-Reitorias de Pesquisa, Criação e Inovação (PROPCI) e de Pós-Graduação (PROPG), reuniu representantes da Universidade e de diversas Fundações de Apoio.

 No dia 26 de janeiro de 2016, às 16h, no auditório Glauber Rocha do PAF III (Campus de Ondina), foi realizado um debate com a finalidade de se discutir as repercussões advindas com a sanção da Lei 13.243/16, que tem sido referida como o Marco Legal de Ciência, Tecnologia e Inovação.

Considerada essencial no desenvolvimento da investigação científica, da criação e da inovação em nosso país, a discussão foi conduzida pela Profa. Dra. Cristina M. Quintella, docente do Instituto de Química da UFBA, que esteve à frente do Núcleo de Inovação Tecnológica e assumiu a presidência do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia. O debate ainda contou com a presença do Prof. Dr. Gesil Sampaio Amarante Segundo, da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC).

Os principais pontos abordados pelos palestrantes foram: a concessão de bolsas, as importações, o papel dos NITs, as taxas de administração para as Fundações de Apoio, o conceito de ICT e a possibilidade de parcerias no âmbito público e privado.

A plateia foi composta por membros da comunidade acadêmica e científica e por representantes de Fundações, a exemplo da FAPEX e da FEP. O evento contou, também, com a presença do Magnífico Reitor, Prof. Dr. João Carlos Salles.

Por: Artur Reis
Advogado, Assessor Jurídico da FAPEX

 

 

O II Encontro Norte-Nordeste das Fundações de Apoio das Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica (ENNFAIES) já tem um site e trás uma pesquisa em andamento para a definição dos temas das palestras.

O endereço do site é agencia.portalfadesp.org.br/site/ennfaies, mas ele também pode ser acessado através do portal institucional, na área de banner que fica no alto da página, ou da agência de notícias.

Por decisão da comissão de organização, o símbolo do evento é o mercado do Ver-o-Peso, uma homenagem a Belém pelo seu aniversário de 400 anos de fundação. Estilizado, ele está no topo do site e nas informações turísticas que movimentarão a página.

Inicialmente, o conteúdo em destaque no site é a pesquisa que definirá os temas das palestras. Através de formulário online, os colaboradores das fundações do Norte e do Nordeste poderão escolher três entre oito temas sugeridos.

Na área do índice, os visitantes também podem conferir as páginas das fundações localizadas nas regiões Norte e Nordeste do Brasil. Ao clicar no link de cada uma delas, o usuário acessa os seus sites institucionais.

As dúvidas sobre o evento que será realizado nos dias 9 e 10 de junho devem ser tiradas através do emailIIENNFAIES@fadesp.org.br ou do telefone 4005-7441, da colaboradora Michelly Baía.

Fernando Peregrino, vice-presidente do Confies. (Foto: Reprodução-Coppe/UFRJ).

Fernando Peregrino, vice-presidente do Confies. (Foto: Reprodução-Coppe/UFRJ).

Fernando Peregrino *, Jornal do Brasil

Ao longo de muitos anos, o Brasil tem adquirido cada vez mais tecnologia de outros países. Vejam o período recente, em 2010, compramos US$ 3,2 bilhões e em 2014, esse numero subiu para US$ 5,9 bilhões, dados do Banco Central. Um crescimento de  84%!

A continuar assim permanecemos no caminho conhecido de ampliar a aquisição externa de tecnologia, sem absorvê-la e sem aumentar produção interna de inovação. A conhecida face do exportar matérias primas e importar produtos manufaturados.

Refletindo essa realidade, há trinta anos participávamos com 2,7% da produção industrial do mundo, e, hoje, passamos a 1,8%, segundo o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (IEDI). De acordo com o mesmo instituto, de 2003 a 2009, nossa  produtividade caiu 1,7%, enquanto a da China cresceu 4,5% e a dos EUA 3,8%.

Reconheça-se, por outro lado,  que houve um esforço no sentido de reverter esse quadro, aumentando expressivamente investimentos em pesquisa e formação de pessoal. Como resultado, em 2000, éramos 125 mil pesquisadores do Pais e em 2010 passamos a ser 234 mil (MCTI). Porém, é preocupante que 40% trabalhavam na empresa, e hoje apenas 25%. Em números absolutos, o número de pesquisadores nas empresas estacionou em torno de 50 mil!Um perigoso desequilibro. Por sua vez, o numero de patentes depositadas por residentes no Brasil, entre 2000 e 2012, cresceu apenas 23% e os de não residentes 83%! Nosso país se orgulha de estar em 13º lugar em produção científica, mas se situa em 70° em inovação (Global Innovation Index).

Mas afinal, para que servem esses fatos e números? Em primeiro lugar, para explicar nossa baixa  performance em transformar Ciência em Inovação. Em segundo, a imperiosa necessidade de integrar e agilizar o funcionamento do sistema de inovação, incrementando a relação virtuosa entre os centros produtores de conhecimento, universidades e institutos de pesquisa, e as empresas capazes de transformar tecnologia em bens e serviços para uso da sociedade.

Para isso, é fundamental vencer preconceitos e a excessiva burocratização na área de ciência e tecnologia, e desfazer um verdadeiro cipoal de normas contraditórias, ambíguas e impeditivas da cooperação ágil entre  agentes públicos e privados.

É nesse contexto que saudamos a sanção do Marco Legal de Ciência, Tecnologia e  Inovação, a Lei 13.243, como um salto para um futuro melhor. Nas palavras da Presidenta, uma ferramenta de flexibilidade  e de desburocratização.

Mas, infelizmente, embora aprovada por unanimidade no Congresso, a Lei, construída por mais de 70 entidades do setor, recebeu cinco vetos que reduziram seu alcance. Mas o que intrigou-nos foram as fundamentações dos vetos, bastante refutáveis e creditáveis a uma cultura burocrática que resiste em fazer-nos trilhar o caminho da inovação.

Esses vetos atingiram poderosos mecanismos de incentivo ao salto visado, como o acesso de jovens de universidades privadas à bolsa para inovação, as micro empresas tecnológicas de usufruírem das compras governamentais, os profissionais e médicos residentes  dos hospitais universitários de receberem bolsas de pesquisa, ao direito das fundações de apoio  à justa remuneração pelo trabalho que prestam,e, por fim, em tempos do zika, a autonomia gerencial de entidades como a Fiocruz que fazem a pesquisa e a transforma em vacinas para doenças que acometem a nossa população. A luta para corrigir esses vetos em tempo será um exercício de negociação no qual todos compromissados com o novo Marco Legal devem participar. Sobretudo o Governo.

* Fernando Peregrino, D.Sc. Diretor de Orçamento da COPPE/UFRJ e Vice-Presidente do CONFIES, Conselho Nacional das Fundações de Apoio as Universidades 

Sobre o Confies

O CONFIES – Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica – é uma associação civil com personalidade jurídica de direito privado sem fins lucrativos que agrega e representa centenas de fundações afiliadas em todo o território nacional.

Google Map

Nosso endereço:

  • SRTVS, Qd. 701 Bloco K Sala 327, Ed. Embassy Tower
  • (61) 3037-3443
  • confies@confies.org.br
  • www.confies.org.br