O presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, participou ontem do lançamento da agenda legislativa da ciência e tecnologia no Congresso Nacional, batizada de  “Iniciativa de C&T no Parlamento – ICTP.br”

“Não se pode quebrar o sistema de ciência e tecnologia do País. Esse patrimônio foi construído com muito suor e lágrimas, e sacrifícios da nação, desde 1950, com o CNPq e Capes. É preciso dizer ‘basta’. Afinal trata-se do futuro do País.” A declaração é do presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, proferida nesta quarta-feira, 8, no lançamento da agenda legislativa da ciência e tecnologia no Congresso Nacional, batizada de  “Iniciativa de C&T no Parlamento – ICTP.br”, em cerimônia na Câmara dos Deputados.

O lançamento da ICTP.br aconteceu horas depois da participação do ministro Marcos Pontes, da pasta da Ciência, Tecnologia, Telecomunicações e Comunicações, na audiência conjunta das comissões de Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e de Educação da Câmara. O contingenciamento de 42% no orçamento do Ministério foi o principal tema do evento.

A ICTP.br é um movimento da comunidade de ciência e tecnologia organizado pela SBPC, ABC, CONFIES, Andifes, Confap, Conif, Consecti e Fórum Nacional de Secretários e Dirigentes Municipais de Ciência, Tecnologia, para atuação permanente no Congresso Nacional e, também, em Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais, em prol do desenvolvimento científico e tecnológico do País.

Peregrino enalteceu o posicionamento de Pontes para o enfrentando dos cortes da área científica e tecnológica, essencial para o desenvolvimento de qualquer nação. “Quero fazer um registro aqui, quem tem o ministro da Educação (Abraham Weintraub), tem de fazer altos elogios ao Marcos pontes” declarou Peregrino, sob aplausos da plateia principalmente de cientistas e parlamentares em um dia marcado pela mobilização #CIÊNCIA OCUPA BRASÍLIA.

“O ministro pode não conseguir fazer tudo que prometeu, até por que as forças contrárias são muito grandes e sabemos quais são. Mas ele tem o diálogo na veia, o que é muito importante para nós. Vamos nos unir”, considerou Peregrino, crítico ao corte de 30% da verba das universidades públicas.

Estratégias do MCTIC

Na audiência pública, o ministro Pontes apresentou  estratégias para melhorar as condições e o prestígio da ciência no Brasil e citou, como exemplo, a desburocratização da pesquisa (que consome 35% do tempo do cientista) apoiando a bandeira do CONFIES.  Outra proposta do ministro é  fortalecer o relacionamento direto com a comunidade científica.

Fundações de apoio

Peregrino destacou ainda a importância das fundações de apoio das universidades públicas  que contribuem de forma significativa para o avanço das pesquisas científicas no Brasil.  “As nossas fundações de apoio movimentam mais de R$ 5 bilhões por ano em projetos pesquisa e ensino de extensão. Esses valores representam 10 vezes o orçamento deste ano do FNDCT (Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, a principal fonte de recursos públicos para pesquisa)”, disse Peregrino. “Nossas fundações são responsáveis por mais de 22 mil projetos de pesquisa e por quase 40 mil bolsas de pesquisas anuais, mais da metade do número de bolsas concedidas pelo CNPQ, de 70 mil a 73 mil por ano, conforme foi anunciado hoje aqui (pelo ministro Marcos Pontes)”, acrescentou.

Reunião com  Maia

Após a cerimônia, os dirigentes das instituições científicas se reuniram com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, com o objetivo de pedir apoio à tramitação de projetos e propostas da agenda da área científica. Entre elas, a derrubada dos vetos da Lei dos Fundos Patrimoniais, uma saída importante para amenizar a crise financeira do sistema.

(Assessoria de imprensa)

 

No Capítulo 1 da obra, o presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, critica a burocracia e o excesso de incentivo ao sistema financeiro em detrimento da inovação e da indústria nacional

Elaborado por especialistas da área de ciência e tecnologia de todo país, o livro “Marco Legal de CT&I e seu potencial  impacto na inovação no Brasil”, publicado pela Editora CRV, será lançado em 08 de maio, na Universidade de Brasília (UnB). Com 12 capítulos, a publicação, criada de forma colaborativa, integra três organizadores e 21 autores que atuam diariamente na temática de CT&I, envolvidos diretamente na definição de políticas públicas e na execução e na gestão de projetos, dentre outros.

A obra, baseada em eventos de inovação realizados pelo Centro de Apoio ao Desenvolvimento Tecnológico (CDT/UnB), tem como objetivo apresentar a experiência de representantes de instituições que formam o Sistema Nacional de Inovação (SNI) brasileiro.

Na lista de autores, o engenheiro Fernando Peregrino, presidente do CONFIES (Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica) escreve o 1º capítulo da obra, sob o título Inovação no Ambiente Econômico  Brasileiro.

Peregrino utiliza de sua grande experiência como gestor público para discorrer sobre os obstáculos enfrentados para inovar no Brasil.

“Pode existir inovação com tanto incentivo ao setor financeiro em detrimento da indústria e essa hipertrofia da burocracia?,  acrescenta Peregrino.

O presidente do CONFIES é mestre e doutor em Engenharia de Produção pela COPPE/UFRJ, também diretor de Orçamento e Controle da COPPE/UFRJ; diretor executivo da COPPETEC, a fundação de apoio da UFRJ; ex-secretário de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Rio de Janeiro; e ex-presidente da FAPERJ (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro).

Em 2018 também foi lançado o livro Marco Regulatório em Ciência, Tecnologia e Inovação, dentro do contexto da Lei 13.246/2016, publicada pela Arraes Editores. Também autor do Capítulo 1, sob o título Questões sobre a burocracia e as sociedades industriais e do conhecimento -, Peregrino coloca sob análise a questão da burocratização da administração pública frente às exigências de flexibilidade na gestão de programas e projetos de pesquisa científica e tecnológica, no contexto de uma sociedade do conhecimento que demanda a interação entre governo, instituições de pesquisa e empresas com vistas ao melhor posicionamento do País em inovação.

Serviço:

O Que é: lançamento do livro “Marco Legal de CT&I e seu potencial  impacto na inovação no Brasil”
Quando: Será na quarta-feira, 08, no espaço da Finatec, fundação de apoio da Universidade de Brasília (UnB), às 19hs.

(Assessoria de imprensa/Confies)

Resta-nos apelar para que o MEC suspenda as medidas antes que ela promova um profundo e irreversível desmonte das ações de ensino, pesquisa e inovação a cargo dessas instituições comprometendo seriamente o futuro da Nação brasileira

Todos sabem que o CONFIES (Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica) e suas fundações afiliadas têm natural e profundo compromisso com as atividades de ensino e pesquisa conduzidas pelas Instituições Federais de Ensino Superior (IFES).

As fundações de apoio só existem por conta de suas apoiadas. Isso nos orgulha pois são mais de 22 mil projetos gerenciados por ano.

Aliás, essas universidades públicas são responsáveis por 95% da produção científica do País, segundo dados da Academia Brasileira de Ciências (ABC) deste ano.

Por isso, estamos perplexos com a medida que prevê cortes de 30% nos orçamentos dessas universidades. Sobretudo pelas alegadas motivações comportamentais. É outro erro de lógica confrontar o ensino básico, ou o infantil, com a graduação, desconhece-se que os bons professores do primeiro são egressos do segundo e que o País está entre os piores em qualidade nesse nível de ensino.

Resta-nos apelar para que o MEC (Ministério da Educação) suspenda essas medidas antes que ela promova um profundo e irreversível desmonte das ações de ensino, pesquisa e inovação a cargo dessas instituições comprometendo seriamente o futuro da Nação brasileira.

Fernando Peregrino – Presidente do Confies

Rio de Janeiro, 02 de maio de 2019

Requerimento, aprovado, destaca o levantamento do MCTIC e do CONFIES que mostra que os cientistas brasileiros perdem, em média, 35% do tempo de estudo com serviços burocráticos

A Comissão de Ciência e Tecnologia, Comunicação e Informática da Câmara dos Deputados realizará audiência pública sobre a burocracia da pesquisa, com ênfase na atuação dos órgãos de controle e no desenvolvimento científico e tecnológico do País. O requerimento, aprovado na última reunião da CCT pelo presidente da Casa, deputado Felix Mendonça Junior, atende ao pedido do CONFIES (Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica. O evento ainda não tem data marcada, mas deve acontecer na primeira quinzena de maio.

Convidados

Conforme o requerimento, são convidados para o debate, além do presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu de Castro Moreira.  O presidente da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior no Brasil (Andifes), Reinaldo Centoducatte. Também Carlos Octaviano de Medeiros Mangueira, Procurador Federal (Advocacia Geral da União), Procurador-Geral da Universidade Federal da Paraíba e Coordenador do Fórum de Educação da Procuradoria-Geral Federal/AGU. Antônio Carlos Bezerra Leonel, Secretário Federal de Controle Interno da Controladoria Geral da União (CGU); Alfredo Renault, Superintendente da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP); e Antônio Carlos de Carvalho, do Centro Nacional de Biologia Estrutural e Bioimagem (CENABIO) da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Justificativa

Como justificativa, o requerimento de Mendonça Junior considerou o levantamento realizado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e CONFIES que, segundo o qual, os cientistas brasileiros dedicam, em média, 35% do tempo de estudo com serviços administrativos, inviabilizando a execução de projetos, em alguns casos.

(Assessoria de imprensa)

Em reunião no Rio de Janeiro, dirigentes da ANP e do CONFIES chegam a 10 entendimentos para reduzir burocracia na pesquisa relacionada ao petróleo

Workshop sobre o Regulamento Técnico da ANP, na COPPE/UFRJ

Iniciada há quatro anos, a cooperação entre as fundações de apoio e a Agência Nacional do Petróleo (ANP) deu mais um passo para reduzir a burocracia que emperra atividade de pesquisa, nesta terça-feira, 16 –, em reunião com a participação do presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, e o superintendente da ANP, Alfredo Renault, realizada na COPPE/UFRJ, no Rio de Janeiro. O objetivo do encontro foi reduzir os entraves burocráticos sobre a pesquisa científica da área do petróleo.

Entre os 10 pontos de entendimentos propostos pela ANP, destacam-se a flexibilidade no uso das receitas financeiras sem autorização prévia, desde que utilizados no objeto da pesquisa; e supressão de percentual para despesas acessórias com importação.

“O diálogo entre a ANP, a petroleiras e as fundações de apoio está  produzindo frutos contra a burocracia. O sistema legal que obriga as empresas petroleiras locais e multinacionais a investir 1% do faturamento em P&D é responsável por uma das maiores fontes de financiamento à pesquisa sobre o qual o governo não pode contingenciar cerca de R$ 1,4 bilhão por ano”, afirmou Peregrino, no Workshop sobre o Regulamento Técnico da ANP.

Para  Peregrino, a luta contra a burocracia é árdua e requer ação constante, como essa de cooperação com a ANP. “O superintendente Alfredo se mostrou sensível aos pleitos do CONFIES. Muitas notícias boas e outras que esperamos que venham, pois ficaram de ser estudadas. Entre essas, a melhor maneira de calcular DOA”, disse Peregrino.

Além da ANP e CONFIES, participaram do encontro 11 fundações – Funcate, FACC, FUNDEP, ASTEF, FEC, FEST, FAPUR, FEESC, FAU, FUSP, FUNCAMP E COPPETEC, e duas petroleiras a SINOCHEM e PETROGRA e a Petrobras.

Sobre as fundações de apoio

Amparadas pela Lei nº 8.958/ 1994, as fundações de apoio, instituições de direito privado, são entidades estratégicos para alavancar recursos, públicos e privados, para a ciência, tecnologia e inovação do País. Hoje existem 94 fundações vinculadas ao CONFIES e que movimentam R$ 5 bilhões ao ano e gerenciam 20 mil projetos científicos em todo País, com destaque para as pesquisas ligadas à exploração de petróleo.

(Assessoria de imprensa)

 

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (ANDIFES) manifesta sua solidariedade à comunidade acadêmica da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), aos seus conselhos superiores, ao reitor Ubaldo César Balthazar, à vice-reitora Alacoque Lorenzini e ao professor José lsaac Pilati em face ao Processo Administrativo Disciplinar aberto pela Controladoria-Geral da União.

Lembramos a importância e a necessidade do respeito às competências constitucionais de cada instituição, entre as quais destacamos a autonomia universitária, e ressaltando que, nas universidades federais, imperam o devido processo legal e o princípio da legalidade.

A ANDIFES reitera sua defesa da democracia, da autonomia universitária e do cumprimento das decisões legais.

Brasília, 12 de abril de 2019

Confira a carta em Pelo respeito à democracia .

Mais uma vez, o Confies vem a público se manifestar contra atos arbitrários que afrontam a autonomia universitária constitucional na UFSC!

Ainda traumatizada pela trágica ação que levou ao suicídio o seu reitor Cancellier, a UFSC sofreu ontem, quinta-feira, 11, intervenção no processo de escolha de seu Corregedor, realizado pelo conselho universitário,  e ainda tem processo aberto contra reitor e vice reitor!

Como pode uma universidade viver sob esse clima com duas fortes violações de sua autonomia? Até quando os órgãos de controle, neste caso a CGU, substituirá o bom senso por atos de força. Esses atos autoritários só ajudam a implantação do medo no ambiente universitário esterilizando o pensamento livre a criativo exigido pelo papel da universidade?

Será que é isso o que país precisa para se constituir como uma nação justa, rica, tecnologicamente desenvolvida e inovadora?

Confies – Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica

Rio de Janeiro, 12 de abril de 2019.

 

Secretário Federal de Controle Interno da CGU diz que embora ainda não tenha opinião concluída sobre o pleito, está abrindo os canais de comunicação, com a área econômica do governo federal,  para estudar a proposta

Avança a proposta de simplificar a burocracia na atividade de pesquisa, pela chamada rubrica única no planejamento e na prestação de contas nas pesquisas científicas. O Secretário Federal de Controle Interno da Controladoria Geral da União (CGU), Antonio Carlos Leonel, diz que embora ainda não tenha opinião concluída sobre esse pleito da área científica, está abrindo os canais de comunicação com a área econômica do governo federal para estudar a proposta, o que representa sinal positivo.

Saiba mais sobre o assunto:

Em Brasília, CONFIES apresenta à CGU proposta para simplificar burocracia na atividade de pesquisa

(Assessoria de imprensa)

 

Com três anos de vida, a legislação dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação do Brasil

Presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, fala sobre o Marco Legal

O presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, traçou na manhã desta quinta-feira, 04, em Belo Horizonte, um panorama sobre o impacto do Marco Legal da Inovação nas universidades públicas. Com três anos de vida, a legislação (Lei nº 13.243 de 11 de janeiro de 2016) dispõe sobre estímulos ao desenvolvimento científico, à pesquisa, à capacitação científica e tecnológica e à inovação do Brasil.

Em palestra proferida na reunião de Pró-Reitores (Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento e de Administração das Instituições Federais de Ensino Superior, chamado de  Forplad), na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Peregrino destacou que a burocracia, incidente há anos sobre a atividade de pesquisa científica, acabou contaminando a nova legislação.

“O Marco Legal avançou para melhorar a gestão, mas permanece o poder discricionário e reativo da burocracia. As fundações poderão desempenhar um papel de destaque na atual conjuntura de escassez de recursos, seja pelos fundos patrimoniais, pela gestão de projetos ou pelas receitas extras”, disse Peregrino que participou do painel “O novo marco da ciência tecnologia e inovação: o impacto nas IFES e o papel das Fundações de Apoio”.

Peregrino discorreu sobre os principais pontos do Marco Legal e destacou a mobilização do CONFIES para reduzir a burocracia na atividade de pesquisa e de dar dinamismo à área de ciência e tecnologia, em meio à crise orçamentária das universidades públicas.

O Fórum Nacional de Pró-Reitores de Planejamento e de Administração das Instituições Federais de Ensino Superior tem caráter permanente e reúne os pró-reitores de planejamento, de administração e ocupantes de cargos equivalentes das instituições da área.

Fundações de apoio

Apoiadas pela Lei nº 8.958/94, as fundações de apoio, gestoras dos recursos das pesquisas conduzidas nas universidades públicas, são elos estratégicos para estimular a pesquisa científica no País. Hoje existem 94 fundações distribuídas pelo País dando apoio à 133 universidades públicas.

(Assessoria de imprensa)

Em reunião com deputados e senadores, o presidente do CONFIES entregou ainda carta das instituições – SBPC, ABC, CONFIES, CONSECTI, CONFAP e ANDIFES – para derrubar os vetos da Lei dos Fundos Patrimoniais

Reunião do presidente do Confies com membros da CGU

No momento em que o governo federal elabora um pacote de medidas para desburocratizar a economia, o presidente do CONFIES, Fernando Peregrino, se mobiliza para simplificar a burocracia sobre a atividade da pesquisa científica e incluir, no pacote de medidas do Ministério da Economia, a área científica, essencial para alavancar o desenvolvimento de qualquer nação. Segundo Peregrino, o cientista brasileiro perde 35% do tempo com trabalhos burocráticos.

A proposta do CONFIES foi apresentada nesta quarta-feira, 3, ao Secretário  Federal de Controle Interno da Controladoria Geral da União (CGU), Antonio Carlos Leonel. O secretário demonstrou apoio à ideia e se comprometeu a fazer contato com os principais órgãos do Ministério da Economia, como a Secretaria de Orçamento de Federal (SOF) do Tesouro Nacional, para viabilizar a proposta.

Na prática, o objetivo da proposta é que seja adotada a chamada “rubrica única” no planejamento e na prestação de contas nas pesquisas. Assim, as despesas de custeio e capital seriam agrupadas e chamadas de investimento e comporiam a chamada Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF). “Isso seria uma mão na roda para o pesquisador brasileiro”, disse Peregrino que também discutiu na CGU outros pontos, como a proposta de derrubar os dois vetos à Lei dos Fundos Patrimoniais.

Audiência pública

Encontro de Peregrino com o deputado Félix Júnior

Antes de participar da reunião na CGU, Peregrino se reuniu com deputados e senadores com o intuito de fortalecer o apoio para derrubar os vetos à Lei dos Fundos Patrimoniais e facilitar o trabalho das fundações de apoio na gestão dos recursos das pesquisas conduzidas nas universidades públicas e institutos.

Na Câmara, na parte da manhã, Peregrino se reuniu com o deputado Félix Mendonça Junior (PDT-BA), presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia da Casa, a quem propôs a realização de audiência pública, na Comissão, sobre o tema “ A Burocracia na Pesquisa de Ciência e Inovação”.

Fundos patrimoniais

Na ocasião, Peregrino pediu apoio ao parlamentar para impedir os cortes drásticos de 42% nos recursos da área da ciência e tecnologia. Também entregou a carta das instituições científicas – SBPC, ABC, CONFIES, CONSECTI, CONFAP e ANDIFES –, para derrubar os vetos da Lei dos Fundos Patrimoniais. Um veto impede a concessão de incentivos fiscais aos doadores de recursos privados aos fundos patrimoniais vinculados às universidades públicas. Outro veto  impede que as fundações de apoio – que hoje são gestoras das pesquisas científicas realizadas nas universidades – também sejam gestoras dos fundos patrimoniais vinculados à atividade de pesquisa.

O presidente do CONFIES pediu ainda apoio ao deputado para cerimônia de lançamento do Observatório sobre Ciência, Tecnologia e Inovação (CTI), um consórcio dessas seis entidades para orientar a implementação de políticas públicas dessa área no País. O evento se realizará às 15 horas do dia 24 de abril no Salão Nobre da Câmara.

Peregrino e o senador Vanderlan Cardoso, na CCT

O deputado demostrou apoio ao pleito das instituições científicas. “Vamos fazer parcerias e tirar resultados concretos”, afirmou Mendonça Junior.

O presidente do CONFIES participou ainda de encontro com o senador Vanderlan Cardoso, presidente da Comissão de C&T do Senado Federal. O senador recebeu de Peregrino o convite para participar do lançamento do Observatório de Ciência e Tecnologia, na Câmara, e também a carta das entidades pela derrubada dos vetos.

(Assessoria de imprensa)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

(Assessoria de imprensa)

Sobre o Confies

O CONFIES – Conselho Nacional das Fundações de Apoio às Instituições de Ensino Superior e de Pesquisa Científica e Tecnológica – é uma associação civil com personalidade jurídica de direito privado sem fins lucrativos que agrega e representa centenas de fundações afiliadas em todo o território nacional.

Google Map

Nosso endereço:

  • SRTVS, Qd. 701 Bloco K Sala 327, Ed. Embassy Tower
  • (61) 3037-3443
  • confies@confies.org.br
  • www.confies.org.br